Carta aberta sobre o projecto de um “Museu das Descobertas”

O GI Impérios do ICS-ULisboa associa-se à iniciativa de mais de oitenta académicos, difundindo abaixo a carta aberta sobre o projecto de um “Museu das Descobertas”, publicada no Expresso de 12 de Abril de 2018.

Planisfério de Cantino (1502), a mais antiga carta náutica portuguesa conhecida. Biblioteca Estense Universitária de Modena. Fonte: wikipedia.

Porque é que um museu dedicado à ‘Expansão’ portuguesa e aos processos que desencadeou não pode nem deve chamar-se ‘Museu das Descobertas’?

A ideia de construir um ‘Museu das Descobertas’ na cidade de Lisboa, incluída no programa eleitoral de Fernando Medina de 2017, não é nova, e tem sido objecto, nas últimas semanas, de algumas reflexões no espaço público. Num momento em que a capital está a viver um surto de turismo e interesse internacional nunca visto, criar um museu sobre este período histórico pode parecer tentador.

Se existem vantagens na criação de um espaço museológico deste tipo, porque é que ele não deve intitular-se ‘Museu das Descobertas’?

Desde logo, porque essa designação cristaliza uma incorrecção histórica, razão pela qual, como historiadores e cientistas sociais, não podemos estar de acordo com ela. Apesar do vocábulo ‘descobrimento’, no singular e no plural, ter sido utilizado nos séculos XV e XVI para descrever o facto de se terem encontrado terras e mares desconhecidos na Europa, a verdade é que, na quase totalidade dos casos, ele apenas se refere à percepção da realidade do ponto de vista dos povos europeus. É inquestionável que Vasco da Gama descobriu o caminho marítimo para a Índia, para quem, naquela altura, vivia na Europa Ocidental. Precisamente porque um dos aspectos que resultou deste e de outros episódios de ‘expansão’ foi o contacto entre povos de culturas muito diversas, é que é tão importante considerar o ponto de vista e a percepção de todos os envolvidos. Para os não europeus, a ideia de que foram ‘descobertos’ é problemática.

Ter-se-ão os povos africanos, asiáticos e americanos, de histórias milenares, sentido ‘descobertos’ pelos portugueses? E como se sentirão hoje as populações oriundas desses territórios ao visitarem um espaço museológico que priva os seus antepassados de iniciativa histórica, reduzindo-os ao papel de objecto da acção descobridora, muitas vezes violenta, dos portugueses? Sabe-se hoje que, ainda antes da viagem de Vasco da Gama, os chineses ensaiaram programas de navegação que poderiam ter tido como resultado o descobrimento do caminho marítimo para a Europa. Se assim tivesse sucedido, os europeus da época ter-se-iam sentido ‘descobertos’ pelos chineses? E os europeus de hoje, incluindo os portugueses, sentir-se-iam bem com a existência, na China, de um museu que evocasse o modo como os chineses tinham posto os europeus na história do mundo?

Ou seja, parece evidente que um museu que visa promover, como se propõe no programa eleitoral de Fernando Medina, ‘a reflexão sobre aquele período histórico nas suas múltiplas abordagens, de natureza económica, científica, cultural, nos seus aspectos mais e menos positivos, incluindo um núcleo dedicado à temática da escravatura’ não deve chamar-se ‘Museu das Descobertas’. Isso seria uma outra forma de reduzir a riqueza e complexidade dos factos históricos a um só ponto de vista – o português. Ou de privilegiar este ponto de vista, impondo-o a outros que dele não partilham. Seria, ainda, recorrer a uma expressão frequentemente utilizada durante o Estado Novo para celebrar o passado histórico, e que convoca, por isso mesmo, um conjunto de sentidos que não são compatíveis com o Portugal democrático. Seria, por fim, optar por uma via que se distancia de experiências museológicas contemporâneas que abordam processos históricos complexos e carregados de sentidos contraditórios e conflituosos.

Na última década, muitos museus, em vários lugares do mundo, têm sido espaços determinantes nas novas formas de pensar a história, quer através das suas instalações permanentes, quer através de exposições temporárias. Atribuir o nome de ‘Descobertas’ a um novo espaço museológico em Lisboa, ainda que nele se incluam múltiplas perspectivas, seria ignorar a riqueza dos debates e da investigação internacional e nacional que tem sido feita sobre o período histórico em questão e os vocabulários que lhe estão associados. E aquilo que tem sido feito são exercícios de reflexão crítica que conduziram à construção de histórias que não são ‘nacionais’, porque incluem pessoas e experiências de vários espaços geográficos. E que exigiram um grande rigor no momento de escolher as melhores palavras para designar e caracterizar essas histórias.

Os exemplos são inúmeros, e destacamos aqui apenas alguns. Em Washington inaugurou-se, em 2016, o National Museum of African American History & Culture; há mais de uma década abriu, no Brasil, o Museu Afro Brasil; e, em Liverpool, o International Slavery Museum pensa as histórias contrapostas da escravatura. Em muitos países têm-se multiplicado as exposições onde ‘as palavras e as coisas’ são o resultado de uma reflexão crítica. Porquê insistir, então, num nome que, em vez de valorizar, tanto quanto for possível, as experiências de todos os povos que estiveram envolvidos neste processo, valoriza somente um deles? Mesmo que a diversidade, a multiplicidade e ‘os aspectos positivos e negativos’ venham a ser exemplarmente narrados num futuro museu, não serão comprometidos pela opção de um nome que persiste numa imprecisão histórica?

Os argumentos enunciados contra a designação ‘Museu das Descobertas’ aplicam-se, igualmente, à designação ‘Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa’, já que a esta também subjaz uma narrativa sobre o passado português que peca por uma boa dose de mitificação. Os portugueses dos séculos XV a XVIII – bem como os dos séculos XIX e XX – nem sempre foram paladinos do diálogo intercultural. Muito frequentemente foram o contrário disto. Como se pode ver, a questão não é apenas a do nome, mas aquilo que o nome representa enquanto projecto ideológico.

Num momento em que se intensificam, em Portugal, os debates sobre a história colonial portuguesa, em que surgem grupos de afrodescendentes que querem uma história plural, em que a academia, jornalismo e sociedade civil começam a falar de forma mais crítica e mais aberta, é importante que um novo museu seja também o reflexo dessa riqueza problematizante.

Encontrar um outro nome que se possa tomar como ponto de partida para reflectir e para expor criticamente estes processos históricos, poderá exigir algum esforço. Mas não deixará de produzir resultados melhores do que o uso de uma expressão obsoleta, incorrecta, e carregada de sentidos equívocos.

Signatários:

Alice Ramos, ICS-ULisboa; Amélia Polónia, CITCEM/FL-Universidade do Porto; Ana Isabel Sardinha Desvignes, Université Sorbonne Nouvelle – Paris 3; Ana Isabel Cordes López Salazar, Univ. Complutense de Madrid, Espanha; Ana Maria S. A. Rodrigues, FL-ULisboa; André Belo, Univ. Rennes II; Anna M. Klobucka, Universidade de Massachusetts Dartmouth (EUA); Ângela Barreto Xavier, ICS-ULisboa; António Camões Gouveia, CHAM/NOVA-FCSH; António Manuel Hespanha, CEDIS-NOVA; António Sousa Ribeiro, CES Coimbra/FLUC; Bruno Feitler, Universidade Federal de São Paulo/ CNPq, Brasil; Catarina Madeira Santos, EHESS-Paris; Cátia Antunes, Univ. de Leiden; Claudio H. M. Batalha, UNICAMP, Brasil; Cristiana Bastos, ICS-ULisboa; Cristina Nogueira da Silva, CEDIS/NOVA-FD; David Frier, University of Leeds; Dejanirah Couto, Ecole Pratique des Hautes Etudes, Paris. Diogo Ramada Curto, IPRI-NOVA FCSH; Elsa Peralta CEC-ULisboa; Everton Salles Sousa, Universidade Federal da Baía, Brasil; Federico Palomo, Universidad Complutense de Madrid; Fernanda Olival, CIDEHUS – Univ. Évora; Fernando Dores Costa, IHC/NOVA FCSH; Filipa Lowndes Vicente, ICS-ULisboa; Hermenegildo N. G. Fernandes, CH/FL-ULisboa; Hugo Gonçalves Dores, CES- Coimbra; Inês Beleza Barreiros, FCSH-UNL, New York University; Inês Galvão, ICS-ULisboa; Inês Ponte, ICS-ULisboa; Inocência Mata, FL-ULisboa; Iris Kantor, Universidade de São Paulo, Brasil; Isabel A. Ferreira Gould, CEC/FL-ULisboa, The Ohio State University; Isabel Castro Henriques, FL-ULisboa; Isabel Correa da Silva, ICS-ULisboa; Joacine Katar Moreira, CEI/ISCTE-IUL; Joana Cunha Leal, IHA/NOVA-FCSH; Joana Estorninho de Almeida, CEDIS NOVA; Joana Fraga, ICS-ULisboa; Joana Pontes, CEI/ISCTE-IUL; Joana Rita da Costa Brites, FLUC/CEIS20-UC; João José dos Reis, Univ. Federal da Baía, Brasil; João Paulo Oliveira e Costa, CHAM/NOVA FCSH; João Vasconcelos, ICS-ULisboa; Jorge Flores, Instituto Universitário Europeu, Florença; Jorge Vala, ICS-ULisboa; José Alberto Tavim, CH/FL-ULisboa; CIDEHUS-Univ. Évora; José Damião Rodrigues, CH/FL-ULisboa; José Manuel Sobral, ICS-ULisboa; José Pedro Monteiro, NOVA IHMT; José Neves, Dep. História – NOVA FCSH; José Silva Horta, FL-ULisboa; José Subtil, UAL; Júnia Furtado, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil; Leonor Freire Costa, ISEG, Universidade de Lisboa; Lisa Voigt, Ohio State University, EUA; Luís Filipe Barreto, FL-ULisboa; Luís Trindade, Birkbeck, University of London; Luís de Moura Sobral, Université de Montréal; Mafalda Soares da Cunha, CIDEHUS-Univ. Évora; Magda Nico, CIES-IUL; Manuela Ribeiro Sanches, CEC/FL-ULisboa; Marco Morel, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Brasil; Margarida Rendeiro, Universidade Lusíada/CHAM, FCSH-UNL; Maria-Benedita Basto, Lettres, Sorbonne Université, Paris; Maria Cardeira da Silva, CRIA/NOVA-FCSH; Maria Augusta da Lima Cruz, Univ. do Minho; Maria do Carmo Piçarra, CECS-U.Minho / CFAC-U. Reading; Maria José Lobo Antunes, ICS-ULisboa; Maria Luiza Ferreira de Oliveira, Universidade Federal de São Paulo, Brasil; Mariana Pinto dos Santos, IHA, NOVA-FCSH; Marina Costa Lobo, ICS-ULisboa; Margareth de Almeida Gonçalves, DHRI-PPHR/Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Brasil; Mark Sabine, Univ. Nottingham; Marta Lança, FCSH-UNL; Marta Macedo, ICS-ULisboa; Marta Rosales, ICS-ULisboa; Miguel Cardina, CES-Coimbra; Miguel Dantas Cruz, ICS-ULisboa; Miguel Bandeira Jeronimo, CES-Coimbra; Miguel Vale de Almeida ISCTE-IUL/CRIA; Nélia Dias, ISCTE-IUL; Nuno Gonçalo Monteiro, ICS-ULisboa; Nuno Senos, NOVA FCSH; Patrícia Ferraz de Matos, ICS-ULisboa; Patrícia Martins Marcos, IHC-UNL; Paulo Jorge Fernandes, NOVA FCSH; Pedro Aires Oliveira, IHC-NOVA FCSH; Pedro Cardim, CHAM-NOVA FCSH; Pedro Magalhães, ICS-ULisboa; Pedro Puntoni, Universidade de São Paulo, Brasil; Pedro Ramos Pinto, University of Cambridge; Pedro Schacht Pereira, Ohio State University, CEC/FL-ULisboa; Ricardo Roque, ICS-ULisboa; Rita Almeida Carvalho, ICS-ULisboa; Robert W. Slenes, Universidade Estadual de Campinas, Brasil; Robert Raminelli, Universidade Federal Fluminense, Brasil; Roberta Stumpf, CHAM/NOVA FCSH; Rodrigo Lacerda, NOVA FCSH/CRIA; Rosa Maria Perez, ISCTE-IUL/CRIA; Rui Bebiano, FLUC/CES; Rui Costa Lopes, ICS-ULisboa; Rui Gomes Coelho, Rutgers University, EUA; Rui Tavares, Instituto Universitário Europeu, Florença; Sanjay Subrahmanyam, University of California, Los Angeles, EUA/ Collège de France; Sérgio Campos Matos, FL-ULisboa; Stuart Schwartz, Yale University, EUA; Silvia Hunold Lara, UNICAMP, Brasil; Susana Matos Viegas, ICS-ULisboa; Tamar Herzog, Harvard University, EUA; Teresa Castro, Université Sorbonne Nouvelle, Paris 3; Walter Rossa, Fac. Arquitectura/CES Coimbra; Vanicléia Silva Santos, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil; Vitor Serrão, ARTIS-IHA-FL-ULisboa; Zoltán Biedermann, University College London”

Partilhar