História e memória de famílias portuguesas retornadas de Angola: classe, ‘raça’ e vida social

Esta investigação tem como objeto a vida social e as trajetórias sociais de famílias portuguesas retornadas de Angola que foram realojadas em Portugal através de apoios sociais, nomeadamente do Instituto de Apoio ao Retorno de Nacionais (IARN).

selo de povoamentoEste universo populacional agrupa indivíduos com condição particular à chegada a Portugal: tiveram acesso à cidadania portuguesa e eram ex-residentes em Angola que necessitaram de apoio estatal para o realojamento após o retorno. O enfoque no realojamento permite selecionar esta população a partir de uma condição de necessidade material que configurava, no contexto da sociedade portuguesa, uma determinada posição de classe. Esta condição à chegada correspondia, em grande medida, à condição de estratos da população colonial portuguesa e lusodescendente que se inseriam nas classes médias e na classe trabalhadora da sociedade angolana.

Num primeiro momento, pretende-se mapear o quadro da estrutura de classes, altamente racializado, na sociedade colonial de Angola. Esta tarefa será realizada através do recurso a pesquisa de arquivo, nomeadamente Arquivo Histórico Ultramarino e arquivos distritais portugueses, e a pesquisa de bibliografia especializada, nomeadamente estatísticas e análise histórica e sociológica.

Num segundo momento, pretende-se mobilizar as memórias individuais das trajetórias de vida destas e destes migrantes coloniais e das suas famílias, através de entrevistas etnográficas nos bairros de realojamento, no Vale da Amoreira (Moita) e em Mira Sintra (Sintra). Nessas entrevistas, a análise da vida social vai percorrer as práticas de lazer urbanas (nomeadamente consumo de cinema e música), a frequência escolar e o trabalho como observatórios privilegiados dessas trajetórias sociais e reflexo da modernização capitalista da sociedade colonial angolana.

Resumo do projeto de doutoramento de Bruno Góis, doutorando em Antropologia (ICS-ULisboa), licenciado e mestre em Relações Internacionais (ISCSP-ULisboa), bolseiro de investigação no projeto “O Império colonial português e a cultura popular urbana: visões comparativas da metrópole e das colónias (1945-1974)”  PTDC/CPC-CMP/2661/2014. Este projeto tem como orientadora Elsa Peralta (CEC-FL-UL) e coorientador Nuno Domingos (ICS-UL).
Imagem: selo de povoamento.

Partilhar