Sonolentos na Metrópole: Silvio Correa no ‘Ciência e Império’

Sílvio Correa , Professor da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil, e investigador visitante do CIUHCT, será o próximo convidado do Ciclo de Seminários “Ciência e Império”. O seminário intitulado “Sonolentos na metrópole” tratará sobre a história da doença do sono e decorrerá entre as 12h30 e as 14h00 na Sala 3 do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

Resumo da comunicação:

A investigação científica sobre a doença do sono avançou rapidamente nas metrópoles dos impérios coloniais a partir da primeira década do século XX. Da primeira missão médica portuguesa em África, sob a direção do professor Aníbal Bettencourt, e da qual participaram Ayres Kopke, Correia Mendes e Gomes de Rezende, os primeiros resultados foram publicados em 1903. Apesar do seu impacto científico, os médicos portugueses não lograram identificar o agente etiológico. Em 1904, o Dr. Kopke retornou ao continente africano. Ele pôde examinar alguns doentes e fazer autopsias no hospital de Luanda. Como a investigação sobre a doença do sono deveria continuar na metrópole, algumas pessoas com suspeita ou já com os sintomas da doença do sono foram enviadas para o Hospital Colonial de Lisboa. Com base em artigos e documentação variada do Dr. Kopke, pretendo abordar um aspecto pouco tratado na historiografia da medicina tropical, ou seja, a importância das “cobaias humanas” para o avanço da medicina tropical durante o imperialismo colonial português.

Partilhar